top of page
  • Foto do escritorAdmin

Imigração Italiana: 150 anos

A 21 de fevereiro de 1874 chegava à costa brasileira o navio La Sofia e, em seu interior, estavam 388 italianos vindos da cidade de Gênova para recomeçar suas vidas no continente americano depois de cerca de um mês de uma viagem em condições precárias. A chegada deles no porto de Vitória, no Espírito Santo, marca o início de imigração italiana para o Brasil e a data consagrada como Dia da Imigração Italiana.


La Sofia chegou ao Porto de Vitória, no Espírito Santo, no dia 21 de fevereiro de 1874 — Foto: Arquivo Público/ES


Apesar do marco, eles não foram os primeiros italianos do Brasil ao a América de fato. Anteriormente, a presença italiana já havia chegado, mas não na condição de imigrante, sendo o mais famoso Cristóvão Colombo, que é considerado como o descobridor da América e, no Brasil, a imperatriz Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, natural de Nápoles. Contudo, eles não essa expedição marca o inicia de uma chegada em massa de italianos, cerca de 1,4 milhão, nos 50 anos seguintes a este marco inicial e isso alteraria de forma particular a cultura, a economia, e culinária brasileiras.


Naquele período, a imigração de italianos para o Brasil não é um fato isolado, mas faz parte das grandes imigrações que partiram da Europa para as Américas na segunda metade do século XIX. Os países europeus viviam naquele momento as consequências da Revolução Industrial e o turbilhão de mudanças que deixava milhares na pobreza, com uma economia instável e um futuro incerto.


O Brasil queria colonizar as terras criando colônias de estrangeiros visando o embranquecimento da população. Além disso, vivia-se um momento de profunda mudança, com a proibição do tráfico de escravizados desde 1850 e a certeza de que a abolição se aproximava. O que fez com que grandes fazendeiros buscassem a mão de obra imigrante para trabalhar nas fazendas de café e, aos poucos, foram se integrando à comunidade brasileira.


Além da gastronomia, os italianos também deixaram suas marcas nas artes, na poesia, na arquitetura, esporte e política com nomes como Cândido Portinari, Alfredo Volpi, Anita Malfatti, Adoniran Barbosa, Fernanda Montenegro, Augusto Ruschi, César Lattes, Felipe Massa, Luiz Felipe Scolari, Roberto Rivellino, Rubens Barrichello e Itamar Franco.

61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentit


bottom of page