O Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores ocupa o lugar onde foi fundada, em 1879, a primeira hospedaria de imigrantes do Brasil. Esta instituição funcionou até 1966, recebendo imigrantes vindos de vários continentes e que desembarcavam no porto do Rio de Janeiro. A Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores foi o primeiro endereço de levas de trabalhadores que, desde o final do século XIX, chegaram ao Brasil.

Nos últimos dois séculos, a ilha também abrigou um engenho de mandioca, foi espaço para a pioneira experiência de criação intensiva de peixes, funcionou como presídio e, atualmente, sedia a Tropa de Reforço da Força de Fuzileiros da Esquadra do Corpo de Fuzileiros Navais, da Marinha do Brasil.

A Ilha das Flores é um espaço rico em experiências de configurações sociais e de memórias pouco conhecidas. A experiência da imigração é a que teve maior duração.

O Centro de Memória da Imigração da Ilha das Flores foi criado para disponibilizar materiais de memória e um conjunto de reflexões sobre a história da imigração no Brasil. Documentos oficiais, fotografias, documentários, mapas e depoimentos, organizados em exposições, estão disponibilizados para o público leigo, acadêmico e escolar.

Este portal divulgará material relevante sobre a imigração e comunicará as atividades do Centro de Memória.